Qual é a diferença entre vaginismo primário e vaginismo secundário?

Qual é a diferença entre vaginismo primário e vaginismo secundário?

 

O vaginismo tem duas classificações importantes.

O vaginismo pode afetar mulheres de qualquer idade ou em qualquer momento de vida. Ele tem duas classificações importantes; vaginismo primário e vaginismo secundário. Em geral, a comunidade médica usa estes termos para indicar o momento do surgimento do vaginismo. Esses rótulos ajudam a comunidade médica e os pesquisadores no diagnóstico e na classificação. Para a mulher individual, a distinção entre os dois tipos tende a ter menos importância. Seja primário seja secundário, ambos são altamente tratáveis.

 

Vaginismo Primário

Em geral, o vaginismo primário está relacionado com as primeiras tentativas de relações sexuais. Em geral, o vaginismo primário é descoberto quando a mulher tenta fazer sexo pela primeira vez. O homem não consegue alcançar a penetração e é como se ele estivesse “batendo contra uma parede” onde deveria haver a abertura da vagina, impossibilitando assim a penetração ou a tornando extremamente difícil. O vaginismo primário é a causa comum de casamentos não consumados e sem sexo. Algumas mulheres com vaginismo primário também têm problemas em inserir absorventes internos ou fazer exames ginecológicos.

 

Vaginismo Secundário

Em geral, o vaginismo secundário está relacionado ao vaginismo um pouco mais tarde na vida, depois de um período de relações sexuais sem dor. Condições médicas, como infecções fúngicas, câncer ou estreitamento das paredes vaginais devido à menopausa (ver Causas para mais exemplos) podem desencadear o vaginismo. Deve-se considerar o vaginismo quando uma mulher continua a sentir dor sexual frequente depois do problema médico ter sido tratado e curado. A capacidade da mulher de ter orgasmos também pode ser afetada, porque uma contração de dor súbita pode terminar com o acúmulo de excitação necessário para o orgasmo. Algumas mulheres com vaginismo secundário também podem ter dificuldade com exames ginecológicos ou inserção de absorventes internos devido à contração involuntária.

 

Variações Nas Classificações

Observe que estas definições podem ser um pouco restritas em alguns casos. Por exemplo, algumas mulheres podem tolerar anos de relação sexual desconfortável porém suportável e ter um aumento gradual da dor e desconforto que eventualmente torna-se tão pronunciado que o sexo não é mais possível. As mulheres também podem ter anos de dificuldade intermitente em permitir a entrada ou a movimentação do pênis que elas precisam estar constantemente vigilantes para tentar controlar e relaxar a área pélvica quando elas subitamente começam a “se contrair”. O vaginismo tem diversas manifestações, desde penetração impossível até intercurso sexual com desconforto, dor ou ardência, todos resultando de espasmos pélvicos involuntários (veja Sintomas). Dependendo da classificação, também pode haver algumas pequenas diferenças na maneira pela qual o vaginismo é tratado.

 

Outras Classificações

Além das classificações básicas acima, os médicos e os especialistas podem usar outros termos médicos para se referirem ao vaginismo como, por exemplo:

Apareunia é um termo geral que se refere à uma condição em que uma pessoa não consegue ter relações sexuais. O vaginismo é um tipo de apareunia (se ele estiver impedindo o intercurso sexual com penetração).

Dispareunia é um termo geral que se refere à uma condição em que existe dor durante a relação sexual. O vaginismo tem sido considerado como um tipo de dispareunia, mas está intimamente associado com todos os tipos de dor sexual. A partir de 2013, o transtorno da dor/penetração gênito-pélvica substitui o vaginismo e dispareunia no DSM 5.


 

Veja Também

Pin It on Pinterest

Share This