Durante o tratamento, é recomendável trabalhar juntamente com profissionais como médicos, ginecologistas, fisioterapeutas, psicólogos, psiquiatras, terapeutas sexuais ou outros?

Durante o tratamento, é recomendável trabalhar juntamente com profissionais como médicos, ginecologistas, fisioterapeutas, psicólogos, psiquiatras, terapeutas sexuais ou outros?

 

A ajuda de profissionais pode ser úteis para trabalhar as áreas desafiadoras do tratamento do vaginismo.

Embora o programa de autoajuda do vaginismo vise ser usado com ou sem a assistência contínua de um profissional, as áreas de dificuldades podem ser mais fáceis de superar ao trabalhar com um especialista com experiência. Cada pessoa tem necessidades específicas e históricos médicos diferentes; por isso, os especialistas geralmente podem ser úteis no processo de superação do vaginismo. Os seguintes profissionais oferecem assistência em várias áreas do tratamento:

 

Médicos E Ginecologistas

Os médicos podem ser consultados a qualquer momento durante o tratamento do vaginismo para garantir assistência e informações individualizadas. Cada pessoa tem necessidades específicas e históricos médicos diferentes; por isso, uma consulta médica é essencial. Se possível, sugerimos que a mulher busque ajuda médica de um ginecologista, ou seja, um médico com treinamento especializado em diagnosticar e tratar questões da saúde pélvica na mulher. Embora nem todos os ginecologistas tenham experiências específicas com o vaginismo, a maioria terá um conhecimento aprofundado das questões de saúde pélvica da mulher e poderá ajudar a eliminar outras causas de dor sexual na mulher. Os kits do vaginismo podem ser usados por médicos para ajudá-los na administração do tratamento conforme apropriado.

 

Fisioterapeutas Com Especialização Em Terapia Do Assoalho Pélvico

A terapia do assoalho pélvico é uma área em expansão dentro do campo da fisioterapia. Os especialistas em fisioterapia na área de terapia do assoalho pélvico podem ser úteis quanto a dificuldades nos aspectos físicos da reabilitação, controle e relaxamento do músculo pélvico. Muitos especialistas em assoalho pélvico oferecem o programa de autoajuda; isso permite que as pacientes tenham um conhecimento completo do tratamento ao mesmo tempo que trabalham juntamente com elas para ajudar a criar estratégias individualizadas do tratamento físico. O kit do vaginismo foi examinado pelo Journal Of Women’s Health Physical Therapy da Associação Americana de Fisioterapia e foi recomendado para uso por terapeutas que tratam pacientes com vaginismo.¹

 

Psicólogos, Psiquiatras E Terapeutas

Sugerimos que todas as mulheres procurem ajuda sempre que for necessário. Se uma mulher não consegue lidar com questões não resolvidas do passado ou se ela sente que as questões relacionais ou emocionais estão impedindo que ela siga com a sua vida, a terapia profissional pode ser uma boa ideia.

Em alguns casos, especialmente quando o registro de saúde emocional (discutido na 2ª etapa do programa de 10 etapas) revela algumas questões bem enraizadas, a mulher com vaginismo pode querer envolver a ajuda de um terapeuta ou de um outro especialista. Alguns psicólogos e terapeutas poderão ajudar com os aspectos emocionais do vaginismo, mas não estarão cientes dos exercícios físicos ou dos aspectos do tratamento. Outros podem ter experiência em todos os aspectos do tratamento do vaginismo e podem oferecer um programa completo. Esta é uma outra opção viável para algumas mulheres, especialmente aquelas que antecipam grandes desafios emocionais ou aquelas com histórias complexas de abuso, ansiedades ou outras questões emocionais.

 

Tentando Encontrar As “Raízes” Emocionais De Problemas Sexuais?

Algumas mulheres passam anos trabalhando com psiquiatras, hipnotizadores ou outros para-profissionais, tentando encontrar as “raízes” emocionais de seus problemas sexuais, mas acabam ficando ainda mais frustradas com a passagem do tempo. É importante reconhecer que, embora possa ser útil identificar quaisquer desencadeadores emocionais possíveis do vaginismo, o tratamento pode prosseguir sem um entendimento completo das causas originais do problema.

Por outro lado, descobrir todos os desencadeadores emocionais potenciais não cura o vaginismo. As etapas do tratamento ainda são necessárias para aprender o controle do assoalho pélvico e eliminar a contração, independentemente da revelação ou compreensão da causa original do problema.

Nem sempre há uma explicação emocional para a causa do vaginismo que possa ser identificada. As mulheres com vaginismo têm diferentes histórias de vida. Algumas têm infâncias quase perfeitas e nunca tiveram nenhuma questão emocional significativa que precisasse ser resolvida. Por estes motivos, sugerimos que as mulheres pensem nos componentes emocionais, mas também continuem a seguir com o tratamento para que não se prendem a tentar lembrar ou descobrir as causas que talvez nunca sejam totalmente entendidas.

 

Terapeutas Sexuais E Outros Profissionais

Terapeutas sexuais e outros profissionais especializados em dor no assoalho pélvico, em questões de disfunção sexual ou em outras disciplinas relacionadas também podem oferecer serviços úteis para as mulheres com vaginismo. Assim como com qualquer assistência de saúde, tome cuidado para avaliar a eficácia e a experiência do profissional e não tema procurar uma segunda opinião para ajudar a avaliar a adequação da assistência em questão.

 

Referências

  1. Shelly, B., Edwards, D. (Editor) (inverno de 2005). Notícias e comentários do produto – Kit completo para o tratamento de vaginismo. APTA J of Women’s Health Physical Therapy (Jornal de Fisioterapia para a Saúde da Mulher da APTA), 29(3), 74.

 

Veja Também

Pin It on Pinterest

Share This